Trump diz que atirador de Las Vegas era ‘doente’ e que discutirá leis de armas ‘com o passar do tempo’

Compartilhe essa notícia

presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira (3) que o autor do ataque a tiros de domingo em Las Vegas era um “indivíduo muito, muito doente”, mas se recusou a chamar o incidente de terrorismo interno, e disse que as leis de armas norte-americanas serão discutidas.

“Nós iremos falar sobre leis de armas com o passar do tempo”, disse Trump a repórteres, na Casa Branca.

Durante sua campanha presidencial, Trump se disse contrário a novas restrições ao porte e à compra de armas e defendeu poderes ampliados a os donos de armas que queiram se defender.

Questionado se o ataque a tiros foi um ato de terrorismo interno, o presidente acrescentou: “Ele era um homem doente, um homem demente. Muitos problemas, eu imagino, e nós estamos investigando ele muito, muito seriamente”.

No ataque, 59 pessoas morreram e mais de 500 ficaram feridas, após Stephen Paddock, um contador aposentado de 64 anos, disparar do 32º andar do Mandalay Bay, um famoso cassino e resort de Las Vegas (EUA), contra uma multidão em um festival de música na noite deste domingo (horário local, madrugada desta segunda em Brasília).

A ação é considerada o maior ataque a tiros da história dos Estados Unidos.

O grupo jihadista Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque. No entanto, o FBI, a polícia federal americana, diz que não foi encontrada nenhuma evidência de conexão do atirador com grupos terroristas internacionais.

Chacina reabre debate sobre facilidade com que americanos compram armas

Chacina reabre debate sobre facilidade com que americanos compram armas