Vereador é preso em Patos por vender equipamentos do Estado em sites da Internet

Compartilhe essa notícia

Um vereador da cidade de São Mamede foi preso pela Polícia Civil paraibana, na tarde dessa segunda-feira (10), acusado de vender equipamentos pertencentes a Secretaria de Estado da Educação da Paraíba-SEE/PB em sites conhecidos de compra e venda de mercadorias.

Alé do vereador, outra pessoa foi presa.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Demétrius Patrício, as diligências se iniciaram na quinta-feira passada (06), logo após ter chegado a delegacia uma denúncia que um equipamento chamado Acess Point – que funciona como espécie de repetidor de sinal de internet – pertencente a uma escola estadual da 6ª Gerencia Regional de Educação de Patos/PB, estava sendo ofertado na internet pelo valor de R$ 500,00 (quinhentos reais), sendo que as fotos de exibição do produto constavam o número de tombamento da SEE/PB.

Assim, agentes de investigação conseguiram entrar em contato com o “anunciante” e posteriormente marcaram um encontro no centro de Patos/PB para que fosse fechado a transação de compra e venda do dito equipamento, oportunidade em um técnico em informática, de 25 anos, foi preso em flagrante por crime de receptação.

No decorrer das diligências, descobriu que o responsável pelo desvio e apropriação dos equipamentos públicos seria o vereador de São Mamede, que foi preso por peculato.

era a pessoa de FRANCISCO DAS CHAGAS MEDEIROS, vulgo “CHAGUINHA MEDEIROS” (37 anos de idade), vereador do município de São Mamede, e que em posse do mesmo ainda havia outros equipamentos pertencentes ao Poder Público. Assim, em ato contínuo, os agentes de investigação conseguiram localizar o vereador que confessou ter “guardado” os aludidos equipamentos em um sítio na zona rural de São Mamede.

Os equipamentos foram localizados, apreendidos e devolvidos à Secretaria de Educação. Já “Chaguinha de Medeiros” fora preso em flagrante por crime contra a administração pública.

O delegado seccional da 15ª AISP, George Wellington Junior, informou, por fim, que o técnico em informática pagou fiança e foi leberado. Já o vereador recolhido ao Presídio Regional Romero Nóbrega, em Patos-PB, onde ficará à disposição da Justiça.

Da Redação