Aesa volta a prever fim do racionamento em Campina Grande

Compartilhe essa notícia

O presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa), João Fernandes, afirmou que a vazão das águas do rio São Francisco está em 7,6 metros cúbicos por segundo e que no açude de Boqueirão a vazão é de 4,5 metros cúbicos por segundo, o que é quase cinco mil litros por segundo.

 

Segundo João, se a vazão continuar assim, o racionamento deve acabar em junho.

– Última leitura que fizemos já estávamos com 16 milhões de metros cúbicos. Se continuar desse jeito, entre 60 e 90 dias, ou seja, lá para junho, estaremos liberando Campina Grande de todas as restrições. E pode até ser antes, mas vai depender das chuvas – explicou.

João também reforçou que procurou a Polícia Ambiental para fiscalizar e coibir a pesca ilegal no Açude de Boqueirão.

Ele ressaltou também que o trecho da transposição está sendo fiscalizado pela Aesa para evitar desvios. A fiscalização da bacia do açude é de responsabilidade da ANA.

João Fernandes alertou que quem for pego desviando água vai sofrer sanções dentro da lei.