VEJA DELAÇÃO DA LAVA JATO: Fernando Reis relata acordo para Cássio

Compartilhe essa notícia

O Supremo Tribunal Federal liberou ontem a noite (12) os vídeos das delações de ex-funcionários da Odebrecht à Procuradoria Geral da República (PGR) , entre eles os de Fernando Reis, ex-presidente da Odebrecht Ambiental.

Elas serviram de base para a abertura de inquéritos autorizados pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. O depoimento de Reis gerou dois inquéritos, envolvendo doações ilegais ao senador Cassio Cunha Lima (PSDB-PB) e o deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP).

No inquérito 4386, Cunha Lima (PSDB-PB) é suspeito de receber R$ 800 mil em doação ilegal feita pela construtora. O ex-funcionário da Odebrecht afirmou que o pedido foi feito pelo político.

Confira o vídeo:

“No decorrer da campanha de 2014, um diretor nosso, Alexandre Barradas, foi procurado pelo senador Cassio Cunha Lima, que era candidato a voltar ao governo da Paraíba”, relatou Reis. “Pediu uma contribuição de campanha em caixa dois.”

Segundo Reis, o codinome de Cunha Lima no departamento de propinas da Odebrecht era “Trovador”. Ele relatou que o acordo foi visto pela Odebrecht Ambiental como uma oportunidade de viabilizar a participação da empresa em uma partipação público-privada no estado na área de saneamento. Porém, disse ele, Cunha Lima não foi eleito e o projeto nunca se concretizou.

Cunha Lima disse que recebeu doação da Braskem, que é do grupo Odebrecht, na campanha de 2014. E que essa doação foi devidamente declarada na minha prestação de contas. “Tem que investigar, sim, até o fim, para que tudo seja devidamente esclarecido”, afirmou, em postagem nas redes sociais na última terça (11).

Redação com G1