Candidato a presidente do PT em Campina elenca projetos para o partido

Compartilhe essa notícia

O candidato a presidente do Partido dos Trabalhadores em Campina Grande, Márcio Caniello, afirmou que o principal motivo para colocar o nome no pleito é a vontade de querer representar os 4.320 filiados do PT na cidade.

Ele ponderou, em entrevista nesta quinta-feira, 6, que é candidato por defender a causa do partido, que é perpetuar o legado de melhorias que a legenda deixou no país.

 

– Você ser dirigente de um partido é uma decisão particular, onde você doa o seu tempo livre para trabalhar voluntariamente na defesa de uma causa. Estamos aqui para defender uma causa. O PT mudou esse país. Tiramos 36 milhões de pessoas da pobreza. Colocamos 42 milhões de pessoas na classe média. Quando o PT entrou no governo, o salário mínimo não comprava uma cesta básica. Hoje se compra duas. Aumentamos o salário mínimo em 80%. Renda per capita aumentou em 78%. O PT tem um legado extremamente importante na redução da pobreza e da desigualdade e na melhoria de vida dos brasileiros – comentou.

Caniello destacou que outra proposta é melhorar a comunicação do partido em Campina Grande.

– Primeiro de tudo vamos melhorar as organizações e a comunicação do partido. Muitas vezes, há uma dificuldade de comunicação da legenda com a sociedade. Nós vamos investir, fortemente, nas novas mídias, na democratização dos meios de comunicação, para levar a mensagem do partido e ouvir não só a militância, mas a população. Vamos também fazer o planejamento eleitoral, porque um partido existe para disputar eleições. Vamos planejar 2018 e estaremos ao lado do companheiro Lula, pois todos os avanços nesse país estão sendo desarticulados pelos golpistas. Também, construir um projeto para Campina Grande, dialogando com a militância e a sociedade. E, no terceiro ponto, estimularmos a vida partidária, através de eventos, formação política e um diálogo constante com as bases do partido – explanou.

As eleições acontecem neste domingo, 9, das 8h às 17h, no Museu Vivo, ao lado do Açude Novo.

O filiado deve levar um documento com foto para poder votar.