Procurador garante que água da transposição chegará no prazo em Campina

Compartilhe essa notícia

Membros do Comitê de Gestão da Crise Hídrica do Ministério Público da Paraíba participaram, esta semana, de uma reunião no Ministério da Integração Nacional, em Brasília, sobre a transposição do rio São Francisco.

Participaram o procurador de Justiça Francisco Sagres, o procurador-geral de Justiça, Bertrand de Araújo Asfora e o responsável pelo projeto da transposição, Antônio de Pádua.

De acordo com o procurador Francisco Sagres, entre os assuntos abordados estava a questão das bombas da Estação Elevatório 6, em Sertânia, município de Pernambuco, que jogam a água para a Paraíba.

Foto: Ascom

Ele salientou que não existem duas bombas quebradas. O procurador explicou que uma das duas bombas da Elevatória 6 sofreu trepidação além do normal e, para evitar dano maior, ela foi retirada e encaminhada para a fábrica, em São Paulo, para correção da vibração. Por isso, a vazão da água para a Paraíba está em 4,5 metros cúbicos por segundo (sendo feita por uma bomba) e não os nove metros cúbicos previstos no projeto.

Ele ressaltou que a bomba deve retornar da fábrica em 10 dias, o que vai proporcionar uma vazão de nove metros cúbicos.

“A fábrica já está trabalhando na bomba e tudo está sendo acompanhado por um engenheiro mecânico”, acrescentou Sagres.

O procurador informou ainda que essa situação ocorreu antes da inauguração da transposição, ocorrida em Monteiro, na última sexta-feira (10).

Ainda segundo o procurador, a barragem de Barreiro, em Pernambuco, está enchendo gradativamente, para evitar qualquer dano, já que, no início do mês, houve um vazamento.

Porém, quando a barragem, juntamente com os reservatórios de Campos e Barro Branco, estiver cheia, a água vai fluir naturalmente sem necessitar de bomba.

Francisco Sagres disse ainda que nada disso vai alterar o prazo para a água chegar a Campina Grande.

Ele ressaltou que o açude de Poções já está quase cheio e, dentro de dois dias, já deve sangrar.

“Esclarecemos à população que nada de anormal está acontecendo. Tudo transcorre normalmente”, concluiu.