Águas da Transposição chegarão a Boqueirão no início de abril: Veja o percurso e os prazos estabelecidos

Compartilhe essa notícia

Desde a noite da quinta-feira da semana passada que as águas da transposição estão em solo paraibano. Na sexta, oficialmente, o presidente Michel Temer e comitiva estiveram em Monteiro para, solenemente, liberar as águas que chegaram à Paraíba para matar a sede de milhares de paraibanos.

Segundo especialistas, a chegada das águas da transposição no Açude Epitácio Pessoa, em Boqueirão, que abastece Campina Grande e mais 19 cidades do Compartimento da Borborema, se dará num prazo que pode variar de 30 a 45 dias, a depender de uma série de fatores.

O percurso das águas da transposição em solo paraibano é o seguinte: de Monteiro elas seguem para o Açude Poções e, de lá, caem na calha do Rio Paraíba, seguindo em direção ao Açude Epitácio Pessoa, mas antes passando pelo Açude de Camalaú.

Segundo o presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado (Aesa), João Fernandes da Silva, todo o percurso vai ser monitorado pelos técnicos da Aesa e de outros órgãos governamentais.

“Nossos engenheiros calcularam entre 30 e 45 dias para que água chegue na cidade de Boqueirão. Não é possível fazer um cálculo exato pois existem muitas variantes e algumas são difíceis de mensurar como a saturação do solo na calha do rio. Mas uma coisa é certa, as chuvas podem agilizar este processo, pois quanto mais encharcado estiver o solo, mais rápido vai ser”, explicou o presidente.

Técnicos da Aesa, Defesa Civil Estadual, Cagepa, Sudema e Polícia Ambiental orientarão moradores ribeirinhos sobre a importância de permitir o fluxo normal do rio e denunciar possíveis irregularidades. “Nesta fase inicial, até que a situação do açude Epitácio Pessoa esteja normalizada, as águas do Velho Chico só poderão ser utilizadas para consumo humano e animal”, alertou João Fernandes. A equipe coordenada pela Aesa utilizará um drone para fiscalizar o leito do rio Paraíba.