Sem água, maior preocupação dos hospitais de Campina é com o serviço de hemodiálise

Compartilhe essa notícia

O presidente do Sindicato dos Hospitais Privados de Campina Grande, José Targino, falou em entrevista veiculada na manhã de hoje (19) sobre como vai ficar a situação dos hospitais que, devido à crise hídrica, serão abastecidos, em parte, por carros-pipa.

Ele afirmou que a maior preocupação do setor é com o serviço de hemodiálise.

Segundo Targino, Campina Grande oferece quatro serviços de hemodiálise e cada um deles gasta cerca de 30 mil litros de água por dia para manter o funcionamento.

 

Targino culpou a Cagepa pela crise hídrica pela qual passa a cidade.

– Eu responsabilizo a Cagepa por esse problema, pois isso surgiu há muito tempo em Campina e me disseram que a Cagepa não tinha responsabilidade sobre como era usada a água de Boqueirão. Sabemos que há muito tempo há desperdício dessa água, inclusive com irrigação ilegal – declarou.

O presidente do sindicato contou que o Hospital Antônio Targino, do qual é diretor, tem um caminhão-pipa exclusivo, além de um reservatório de água.

Ele lamentou a situação dos outros hospitais por não terem o mesmo suporte.