PF avança na Lava Jato e prende doleiro ligado a Eduardo Cunha

Compartilhe essa notícia

Em uma semana repleta de operações, a Polícia Federal iniciou esta sexta-feira com mais agentes nas ruas, desta vez no âmbito da Lava Jato.

Foi preso o doleiro Lúcio Bolonha Funaro (foto) – apontado como uma pessoa bem próxima do presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Esta nova etapa da Lava Jato ocorre também no Rio de Janeiro, em Pernambuco e no Distrito Federal.

Os trabalhos de hoje, aliás, são baseados em duas delações premiadas: a do ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto e a do ex-diretor de Relações Institucionais do Grupo Hypermarcas Nelson Mello.

Na delação de Nelson Mello, firmada com a Procuradoria-Geral da República, ele aponta o suposto repasse de propinas milionárias para senadores do PMDB, entre eles o presidente da Casa, Renan Calheiros (AL), além de Romero Jucá (RR) e Eduardo Braga (AM), destacou a rádio Bandnews.

Nelson Mello afirmou em seu depoimento aos procuradores que pagou R$ 30 milhões a dois lobistas com trânsito no Congresso para efetuar os repasses.

Lúcio Bolonha Funaro e Milton Lyra seriam os responsáveis por distribuir o dinheiro para os senadores.

Esta nova fase da Operação Lava Jato também tem como alvo o lobista Milton Lyra, acusado pelo ex-senador Delcídio do Amaral de ser o operador do PMDB no Senado e ligado a Renan Calheiros.

Outro mandado, de busca e apreensão, é cumprido na construtora Cone, em Pernambuco.

*Com informações da bandnews