Diá cogita mudar planos sobre futuro no Campinense

Compartilhe essa notícia

A paz voltou a reinar no Campinense entre o técnico Francisco Diá e o presidente William Simões.

Pelo menos foi o que o treinador deixou transparecer em entrevista à Rádio Tabajara, de João Pessoa, nesta terça-feira (17).

Em tom bem mais leve que o das mensagens de áudio que varam nas redes sociais no final de semana, o comandante da Raposa confirma que fez as pazes com o mandatário rubro-negro e fala da preparação da equipe, que espera o retorno do Campeonato Paraibano 2016, paralisado por conta do imbróglio judicial envolvendo também o Treze e a FPF.

– Está tudo tranquilo. Estamos trabalhando firme e forte para essa semifinal que se aproxima. Esperamos fazer um grande jogo para reverter essa vantagem do CSP, que por conta de uma aberração do regulamento, mesmo nosso time tendo melhor campanha no geral, vai jogar pelo empate. Mas o time está focado, apesar dessa paralisação – comentou o treinador.

Quando foi questionado sobre o desentendimento com o presidente William, que se tornou público após o vazamento das mensagens de áudio, Diá voltou a explicar o caso.

– Você tem discussão com seu filho, seu irmão, sua mulher, enfim. No futebol não é diferente. Tem sempre as divergências. Isso foi um desabafo privado meu que infelizmente acabou vindo a público. Jamais eu ia trazer isso para a imprensa. Mas está tudo resolvido. Nosso pensamento agora é o CSP – pontuou.

Em relação ao futuro da sua carreira, já que na semana passada o próprio treinador afirmou que deixaria o Campinense após o término da participação rubro-negra no estadual, Francisco Diá deixou a entender que mudou de idéia.

– A gente fica feliz com esse pedido da torcida (para ficar no Renatão na Série D). Mas sabemos que o presidente está focado em resolver logo essa questão do tapetão. (Sobre a permanência) vai ser discutida entre eu e o presidente depois do Paraibano. Ele sempre fica bem à vontade para tomar suas decisões. Foi assim nas outras vezes e agora não vai ser diferente – disse o treinador.

Caso o campeonato não estivesse parado por conta da ação do Treze na Justiça Desportiva, o Campinense estaria classificado para a Série D do Brasileiro independente do resultado das semifinais contra o CSP.

Mas como a continuação do clube no estadual depende do julgamento desta quinta-feira (19) no STJD, a diretoria raposeira não tem falado sobre o planejamento para o segundo semestre.

FONTE: Da Redação